Polêmicas de domingo

O assunto mais popular de hoje é, sem dúvida, a entrevista da Xuxa no Fantástico. Não vou falar sobre o comportamento da Xuxa na entrevista, nem sobre o sensacionalismo do Fantástico, pois foram temas muito explorados em redes sociais e blogs, e eu não teria nada a acrescentar a essas críticas (algumas muito boas por sinal).

Vou comentar sobre dois pontos que mais me incomodaram nisso tudo, um bastante comentado, outro não.

1- As reações das pessoas ao relato de abuso sexual;

2- O julgamento pelo filme porno (sic) em que ela contracena com um menino de 12 anos.

Infelizmente, não estou surpresa com a quantidade de comentários maldosos e/ou moralistas a respeito da declaração da Xuxa sobre ter sofrido abuso sexual na infância. É comum desconfiar da vítima do abuso, ou de culpá-la por ter sido abusada.

Muitos criticaram a Xuxa por ter exposto a situação agora, com 49 anos, e que teria sido melhor ela ir ao analista. Deixando um pouco de lado o sensacionalismo da Globo, que está lucrando muito com essa entrevista, eu me pergunto: não se deve falar sobre o abuso sexual infantil na mídia? O que se critica tanto afinal, o sensacionalismo ou o abuso sexual como assunto em pauta?

Achar que o ideal é guardar situações de abuso sexual como segredos sujos, trancados a sete chaves para não mancharem a honra da vítima, é algo cabuloso para mim. É muito cômodo fingir que estupros só ocorrem com quem se submete, ou com quem “merece”. Essa falta de empatia com as vítimas contribui para o silêncio das mesmas, para a estigma de sujeira e desonra. Se toda vez que um caso de abuso surge na mídia a vítima for desmerecida pelas pessoas, que recado é passado para nós? Em caso de abuso, fiquem quietos para não serem julgados (leia-se, diminuídos/humilhados) pelo senso comum.

Ela demorou para contar? Não se lembra do primeiro abusador? Não se comportou como vítima de abuso? Isso não é motivo para desmerecer o testemunho de qualquer vítima, muito menos para julgá-la. Não há um padrão de comportamento para vítimas de estupro. Respeitem isso e tenham mais empatia, por favor.

Apesar do sensacionalismo, falar sobre abuso sexual é sempre positivo. É preciso sair da zona de conforto e pensar no que pode ser feito para evitar o abuso sexual. Individualmente não é preciso fazer muito não, basta ouvir e não duvidar de cara do que uma criança tem a te dizer, por exemplo. Oferecer um ombro amigo, mostrar apoio, não julgar.

 

Ok, sobre o tão falado “filme pornô” da Xuxa. Primeiramente, seria bom falar um pouco sobre a Pornochanchada, muito comum na década de 70 no Brasil. Pornochanchada é um tipo de filme erótico softcore, ou seja, não há cenas de sexo explícito.

Correção 24/05/12: o filme Amor, Estranho Amor não entra no gênero pornochanchada, é um filme com cenas eróticas apenas. De qualquer modo, não há sexo real entre os atores.

Todos amam falar da Xuxa, mas outros atores famosos participaram das pornochanchadas, embora neguem. Alguns nomes: Antônio Fagundes, Nuno Leal Maia, Ney Latorraca, Marília Pêra, Sônia Braga, Vera Fischer, etc.

O filme Amor, Estranho Amor (1982), contava com atores famosos, como Tarcísio Meira, Mauro Mendonça e Vera Fischer. Apesar de ter sido lançado em 1982, o filme foi filmado em 1979, quando Xuxa tinha 16 anos.

Além da cena erótica com Xuxa, o menino também fez uma cena erótica com Vera Fischer, que interpretava sua mãe. Disso ninguém fala, né? Também não falam que o menino fez uma pornochanchada antes, Eros, o Deus do Amor. Entrevista com ele aqui.

Eu sou veementemente contra filmes que erotizam crianças, e acho bom que hoje em dia tais filmes sejam vistos com estranhamento e espanto, mas acho de uma ignorância tremenda sair por aí dizendo que a Xuxa é pedófila. Ela também era menor de idade da época e foi erotizada, e os verdadeiros responsáveis são os idealizadores do filme, não é mesmo? Se a indignação geral fosse séria, não colocariam a culpa na Xuxa, mas sim em quem fez o filme.

Vale lembrar também que isso não aconteceu só aqui no Brasil. Sabem a Brooke Shields, de A Lagoa Azul? Sua carreira despontou com o filme Pretty Baby, em que ela interpreta a filha de uma prostituta que tem a virgindade leiloada com 12 anos de idade (mesma situação da personagem de Xuxa em Amor, Estranho Amor). O filme causou polêmica por mostrar uma menor  de idade nua.

Se preocupar com a erotização infantil vai muito além de chamar a Xuxa de pedófila, gente. Tó aí um site sobre o tema: Diga Não À Erotização Infantil.

Obs.: uma crítica realmente construtiva sobre a Xuxa em si, seria em relação a erotização promovida em seu programa infantil, por exemplo. Só não é tão apelativo quanto dizer que ela é pedófila…

 

 

Anúncios

3 thoughts on “Polêmicas de domingo

  1. Regina Camargo diz:

    Oi Lina, muito obrigada pelo post. Eu moro fora do Brasil ha 26 anos. Fiquei chocada e triste com as reacoes que tenho lido sobre o depoimento da Xuxa relatando o abuso sexual que sofreu na infancia e na adolescencia, especialmente com a crueldade e a ignorancia de alguns comentarios.

  2. ManoPaiva diz:

    Quando a personagem da Sra. Maria da Graça entrou pela minha sala eu saí. Não vi a entrevista pq acho que não vale a pena ouvir… Xuxa!
    Toda esta questão que expões sobre a pedofilia eu apoio. Se a Maria da Graça Meneghel sofreu este bárbaro ataque, é vítima e merece nosso conforto, apoio, solidariedade.
    Quanto ao filme, realmente do estilo Chanchada erótica, o que soube pela mídia burguesa é que ela mesma ou sua ex-fiel escudeira na Blobo (Marlene Matos) quis comprar o Direito do filme do Diretor, para garantir a sua NÃO EXIBIÇÃO, mas não foi bem sucedida. Acho que alguém a aconselhou em boa hora se ela continuasse com a empreitada causaria uma explosão de procura pelo filme ao invés de ocultá-lo. Então aquietou-se. Mas parece que ela queria eliminar este item da sua filmografia. Também não era bom para a imagem da Rainha dos baixinhos ter sido a musa dos altinhos quando saiu na PlayBoy Brasil em 1982, sendo capa da revista. Fez o que fizeram quase todas as modelos rechonchudas de xuxesso nesse país, só que houve um tempo que ela quis borrar de seu currículo estes pedaços.
    Assinalo que a inversão de importância que destes à parte do conteúdo da entrevista foi muito arguta e os pais e mães devem sempre estar atentos e dar importância a cada mudança brusca ou leve de comportamento nos filhos quando eles retornam de brincadeiras na casa de alguém. Não custa perguntar, sondar, colocar-se preocupado, perguntar de novo até esclarecer a situação e tranquilizar a criança.
    Parabéns!

  3. estou contigo não da ouvidos em algumas pessoas. q sejas sempre está pessoa q é a xuxa. bjs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s