Diga NÃO ao estupro corretivo

Eu estou completamente enojada com o que vi internet afora nesses dias, sério. Enojada, porém não surpresa. A notícia de que duas garotas de 16 anos denunciaram os integrantes da banda New Hit por estupro está dando o que falar nas redes sociais e mobilizando muita gente. O problema é que a mobilização é a favor dos integrantes. Quando vi isso pela primeira vez, achei que fosse porque eles tiveram seu direito a defesa cerceado ou algo do tipo, mas não. A mobilização (e a consequente perseguição às vítimas do abuso) está acontecendo pelo simples fato de haver denúncia. Exatamente: os fãs estão putinhos da vida porque seus ídolos não estão imunes ao sistema penal.

Eu pensei que nunca fosse precisar explicar o óbvio, mas aí vai: xingar/ameaçar/perseguir a quem denuncia crimes sexuais é o cúmulo da falta de empatia do ser humano e ajuda a perpetuar o silêncio das vítimas e a impunidade dos agressores. Parabéns, galerë! Assimilaram a cultura de estupro direitinho.

E que mídia, hein? Não podem nem sair de casa de tanta ameaça que recebem. É definitivamente o sonho de qualquer um 😉

Isso mesmo meninas, agora aguentem a ignorância desses boçais!

Claro, porque toda mulher que é estuprada no fundo queria dar mesmo, né? É só papinho…

Hmm, deixa eu ver: mulher denunciar homens por estupro? É cheira a mentira. Estupro não existe no Brasil.

Todo mundo sabe que um estupro só é legítimo quando ocorre com a mulher honesta, santa (canonizada depois de morta, sabe?) e assexuada, pois se a mulher tiver desejo sexual em algum momento da vida e ter uma paixonite por um ídolo (coisa que fã de verdade nunca teve), é porque não presta mesmo e não merecem respeito. Ou seja: o estupro é liberado, galerë! É só papinho e elas tem que aguentar!

Mulher que não é inocente não é estuprada, gente. Cabsurdo a mentira dessas meninas!

Claro, porque o estupro legítimo é altamente estereotipado e meninas que são forçadas a vender o corpo pelos próprios pais não estão sendo estupradas né, gente? São tudo safada mesmo e sabem se defender!

Onde já se viu as meninas terem a audácia de denunciar um estupro, né não? Tudo cachorra! Todo mundo sabe denúncias deixam qualquer um milionário. Vou lá denunciar um roubo e já volto com meus 2 milhões de reais…

Passou de 15 e 16 anos? Tudo puta! E o mais engraçado é que o que mais aparece é gente que tem “contatos” com a banda agora.

É mesmo, nem tinha me dado conta disso! Por que eu estou aqui reclamando da impunidade nos casos de estupro se há tantos estupros que nunca foram denunciados, não é mesm… OH WAIT

Meninas assanhadas querendo autógrafo? Estupro nelas! Estupro a todas que pedem autógrafo, pois todos os homens são estupradores disfarçados!

Claro que não foi forçado! Elas provocaram, pediram o estupro. Qualquer negativa delas foi frescurite! Estupro corretivo nelas!

Estupro não existe no Brasil gente, já que ninguém é obrigado a fazer nada que não queira 😉 FikDik :@

Eles devem ser presos pelo estupro sim, mas as meninas estupradas devem pagar por suas safadezas! Quem tem idade pra votar não pode reclamar de estupro.

Ameaçar a quem denuncia estupro é coisa de homens de BEM. Viva a impunidade, gente.

Estupro corretivo é para as meninas que não se dão valor. Tomem vergonha na cara!

Entrar em camarim de ídolo para pedir autógrafo e tirar foto? Coisa de puta que quer ser estuprada, lógico!

Gente, eu tenho mais alguns prints aqui, mas o nojo é maior e eu me abstenho de postar mais comentários asquerosos dessa gente tosca. Sabe o que eu acho mais ilógico nessa história toda? Os fãs da bandeca (tá mais pra bandecu) vivem repetindo que ninguém deve julgar os “garotos da New Hit”, que “só deus pode julgar” (claro, nosso sistema penal é só enfeite), mas são os primeiros a xingar, ameaçar, perseguir e humilhar as vítimas. Vários estão postando fotos delas no facebook (e é proibido fazer isso).

Outra coisa que notei foi gente pedindo a morte dos integrantes da banda, querendo destruir a casa dos familiares e tal. Pqp! Deixem a justiça privada de lado, ninguém aqui pode aplicar sanções penais. Ah, e desejar que eles sejam estuprados na cadeia também é naturalizar o estupro, é reforçar a ideia de estupro corretivo “para quem merece”. Eu repudio esse tipo de pensamento. Eles tem direito a um processo justo e humano, com garantia de ampla defesa. Aliás, é isso o que está faltando nesse caso: o respeito ao ser humano. Vamos ter mais empatia e parar de julgar as vítimas?

Anúncios

Blogagem Coletiva: estupros como presente em Queimadas – PB

Post para a Blogagem Coletiva iniciada pelo Luluzinha CampBlogueiras Feministas.

Portal Belmonte Notícias

Como muitos, fiquei sabendo desses crimes absurdos através de blogs e artigos na internet (aqui, aqui, aqui e aqui, pra começar). Apesar de saber que vivemos em uma sociedade machista, que naturaliza o estupro, nunca deixarei de me chocar com crimes tão cruéis como esse, eu não quero acreditar que 10 homens normais (nada de tarados psicopatas desconhecidos em becos escuros), amigos e familiares das vítimas, se sentiram tão merecedores de seus corpos que planejaram os estupros como “presente” de aniversário. Não quero acreditar que as mulheres são vistas assim, como meros objetos sexuais, sem vontades, sem sentimentos. Eram todos psicopatas? Marginais? Anormais? Eram homens comuns, com família, emprego, amigos, etc. Não quero MESMO acreditar que seja assim tão fácil reunir 10 homens para estuprar e matar mulheres. Infelizmente é a realidade, não podemos ignorá-la.

Essa dificuldade em reconhecer mulheres como seres humanos complexos não é coisa de uns poucos criminosos, é de uma sociedade inteira. Somos educadas a nos inferiorizar, e homens são educados para nos inferiorizar também. A palavra “mulherzinha” é um xingamento para quem é fresco, fraco, ou faz coisas consideradas femininas, como cuidar da casa, cozinhar, se arrumar, ou, simplesmente, chorar. Ser mulher é tão humilhante assim para virar xingamento?

Vamos analisar os papéis de gênero. Meninas e meninos são divididos desde cedo, a interação não é encorajada. Os brinquedos voltados para meninas são delicados, meigos, cor-de-rosa. Aprendemos a cozinhar, a cuidar da casa, dos bebês, a valorizar a amizade e a família, a sonhar com contos-de-fada e romances. Devemos ser dóceis e quietas, submissas. Com os garotos é bem diferente. Eles são encorajados a correr, se aventurar, ganham brinquedos violentos e animados. Para eles, nem o céu é o limite, e valores como coragem, bravura, força e dominação lhe são ensinados desde pequenos.  Basicamente: mulheres são criadas para dar carinho e cuidar, enquanto homens, para lutar e dominar. É saudável educar metade da população para a passividade e outra para a agressividade? Separar crianças por gênero dificulta a empatia um pelo outro.

A segregação continua na adolescência. Uma enxurrada de livros e revistas teen surgem com mil e uma explicações sobre como se aproximar do sexo oposto (se a garotada brincasse junta, tais dicas não seriam necessárias). As diferenças ficam mais aparentes (e a mídia adora explorar isso). Começa aquela baboseira toda de “mulheres são de Vênus e homens são de Marte” (deusa do amor e deus da guerra, respectivamente). TCHARAM!! Viramos seres de outra espécie.

 

O “universo feminino” é taxado de fútil, superficial e volúvel. Mulheres são infantilizadas, estéricas e frescas (Sex and the City não me deixa mentir, nem Meninas Malvadas). Tudo o que é feminino é menosprezado pelos homens (e até por nós mesmas!), é menos importante, frescura.

Não termina por aí, também somos objetificadas no clube do bolinha. Comerciais de cerveja são um bom exemplo de como a mulher é vendida ao homem. Um brinquedo/serva sexual, pronta para satisfazer qualquer sede do homem. São mulheres sem vontade própria, sua sexualidade é apenas voltada ao homem, nunca ao prazer próprio.

Até em filmes há uma dificuldade em representar mulheres como seres humanos comuns, e o Bechdel Test analisa isso. É um teste simples: o filme deve conter (1) duas ou mais personagens mulheres que tenham nomes(2) que falam uma com a outra (3) sobre qualquer coisa, menos homens. Se o filme passar no teste, ele representa mulheres como seres humanos, e é incrível como muitos não passam. Mais informações sobre o teste aqui.

Não enxergar a mulher como pessoa é o cerne da cultura de estupro. Quem tenta justificar um estupro, ou culpar a mulher estuprada, não a reconhece como semelhante, como sujeito.  Cultura de estupro é dizer que homens não controlam seus impulsos sexuais, é ensinar meninas e mulheres a não serem estupradas e a responsabilizá-las pelo estupro sofrido. A cultura de estupro pode aparecer através de piadas, ou de estupros coletivos como presente de aniversário.

Obs.: (1) Não, eu não disse que todos os homens são estupradores/maus, critico a ideologia machista (2) tampouco nego que outros grupos de pessoas sejam estereotipados e marginalizados na sociedade (3) o fato de eu apresentar esse problema não quer dizer que negue, ou não me importe, com outros tipos de discriminação. Digo isso porque sempre aparece um zé mané pra falar essas besteiras quando alguém questiona e critica o machismo.