O que está havendo com os publicitários?

Primeiro, a propaganda da Prudence; depois, a da Nova Schin, e agora a Marisa. Não que propaganda machista já não existisse antes, mas esses foram os casos de maior repercussão na internet recentemente (ano passado a propaganda Mulheres Evoluídas, da Bombril deu o que falar também), mas eu fico cada vez mais decepcionada com esses publicitários (leia-se: não com todos os publicitários, óbvio, mas com os que fazem tais propagandas wtf). Além de não terem imaginação e vomitarem clichê atrás de clichê a cada 10 minutos, eles demonstram total falta de sintonia com o público crítico, dizem que não se deve levar nada a sério, que é só piadinha e o escambau.

Usar humor como desculpa, aliás, é outro clichê supostamente liberal da atualidade. Certos humoristas vivem repetindo isso para parecerem transgressores. Fala-se em liberdade de expressão (ou seria liberdade de insulto?) e na defesa do humor ofensivo, onde “se você não quer ser insultado, não assista stand ups”. A incoerência é que usam essa fala para calar seus críticos, ou seja, liberdade de expressão é bom, pero no mucho, né?

Resolvi escrever este post após ler uma carta da redatora da AlmapBBDO, Sophie Schoenburg, em resposta às críticas a nova propaganda da Marisa. A carta pode ser lida aqui.

Não vou comentar sobre a carta em si, tendo em vista que as gurias do tumblr Machismo Chato de Cada Dia (link acima) fizeram com maestria. Não tenho o que acrescentar aos cutucos delas. Minha crítica é mais geral.

A moda agora é ser politicamente incorreto, mas de uma forma regrada, uniforme, engessada. Ser politicamente incorreto virou um estilo de vida para os wannabe cool. Sabe aquelas pessoas que assistiram House em algum momento de suas vidas e decidiram segui-lo como uma espécie de guru espiritual? Pois é, a coisa está nessa linha. A modinha do politicamente incorreto nada mais é do que querer ser como o Dr. House, soltando opiniões ácidas na cara das pessoas, doa a quem doer! Uhuul! Mãe, sou rebelde agora!

O problema é: para ser politicamente incorreto (de verdade), você precisa (1) ter algo para criticar, (2) saber como criticar, usando o contexto ao seu favor (3) para surpreender as pessoas e (4) ser transgressor. Usar humor para reforçar preconceitos da sociedade não é ser politicamente incorreto. Quem reforça preconceitos não está sendo transgressor, pois usa seu discurso para manter as coisas como elas estão, não acrescentam nada novo. Além disso, reforçar preconceitos é justamente o oposto de criticá-los! Quem faz isso e enche a boca para dizer que está sendo politicamente incorreto está é falando uma asneira das grandes! É por isso que a “cartilha do politicamente incorreto” é uma das coisas mais ridículas que eu já vi.

Monty Python rindo dessa gente

Outro problema que parece atingir as peças publicitárias é a falta de criatividade. Pelamor, quem já viu uma propaganda de cerveja viu todas! Quem viu uma propaganda para desodorante já viu todas! É muito cômodo pegar estereótipos largamente manjados e retocar com a pitada “politicamente incorreta” para parecer algo novo. Não somos nós que não entendemos o humor, são vocês que não sabem como fazer humor!

Ah, e não esqueçam! Tem Marcha contra a mídia machista amanhã!

A Cartilha do Politicamente Incorreto

A moda agora é ser grosso e intolerante, brandar aos quatro ventos que imbecilidades preconceituosas e bagaceiras são “verdades incontestáveis”. Ser “politicamente incorreto” é cool, super moderno. As justificativas mais usadas para tal comportamento são: a liberdade de expressão, o gosto pessoal, o bom senso, ou “o que todo mundo pensa”.

Curiosamente, a maioria que defende o “politicamente incorreto” se diz defensora da moral e dos bons costumes. Eu me pergunto que moral é essa que justifica a humilhação e o preconceito? Quais são os bons costumes de gente que acha certo desrespeitar os outros por qualquer diferença que seja? Um dos valores basilares é o respeito ao próximo, e, conforme vamos amadurecendo, aprendemos a argumentar sem ofender, saber ouvir e se espressar de maneira civilizada.

Essa modinha possui alguns “heróis” bastante conhecidos na mídia, como o deputado Jair Bolsonaro, famoso por dar declarações de cunho racista e homofóbico sob o manto da “liberdade de expressão” e os comediantes (sic) do CQC, com piadas hi-la-ri-an-tes sobre estupro, amamentação, etc. É nessa onda que surgiu o patrulhamento feito pelos politicamente incorretos: qualquer um que discorde de suas opiniões é politicamente correto, o PIOR inimigo da humanidade é o politicamente correto, e por aí vai. O pior pesadelo dessa gente é ser criticada por avacalhar com os outros, por ser sem noção. Um exemplo recente é a vitória da Miss Angola no Miss Universo. Por um lado, é normal ver gente criticando a aparência da vencedora, por ter um gosto pessoal diferente, porém, não é normal xingar e rebaixar a miss só por não achá-la bonita. Expressar sua opinião sobre a beleza (ou a falta dela) em alguém não é equivalente à xingamentos e humilhações, isso parece mais implicância de coleguinhas na escola, bullying mesmo. Não gosta de cabelo crespo? Prefere loiras e de olhos claros? Legal, amigo, mas pra quê usar expressões como “negra aidética”, “parece uma favelada”, “ficaria melhor sem as cagadas na cara”, “macaca em um vestido”? É necessário se referir a alguém de modo tão chulo e bagaceiro? A patrulha chega a ser tão grande que, se alguém diz que a Miss Angola é bonita e mereceu ganhar, esse alguém só diz isso por ser “politicamente correto”. Ninguém pode achar negras bonitas e atraentes agora, é contra a verdade absoluta desses boçais.

Para aqueles que adoram distorcer as coisas: não quero acabar com o politicamente incorreto, não quero censurar ninguém, mas questionamentos são necessários. Questionar não é a mesma coisa que censurar. E não confundam politicamente incorreto com intolerância. O que critico aqui é a postura de ser intolerante e preconceituoso através do “politicamente incorreto”. Uma ironia do destino: politicamente incorreto virou eufemismo para racista/homofóbico/machista/intolerante, não passa, pois, de um termo politicamente correto para o preconceito.

Ter direito à liberdade de expressão torna alguém imune, impossível de sofrer críticas? É isso que os “politicamente incorretos” querem; imunidade total para detonar tudo e todos e AI de quem discorde ou critique suas opiniões tão incrivelmente superiores. Ora, é muito conveniente opinar assim, não exige grandes esforços argumentativos e muito menos um senso crítico apurado, basta inventar qualquer porcaria, colocar em forma de piada/jargão/silogismo aristotélico e VOILÁ, a “verdade universal que ninguém tem coragem de falar” está pronta, bonitinha para uso. Ah! Só não esqueça de puxar a descarga e lavar as mãos depois de usar, ok?

Atualização: sobre a suspensão de Rafinha Bastos do programa CQC, recomendo os seguintes posts; O politicamente incorreto só é errado quando atinge os ricos e Rafinha suspenso do CQC por ofender gente que importa.